II Fórum CNTur de Hotelaria e meios de hospedagens pautou-se no Ano internacional do Turismo Sustentável da ONU


Durante o Fórum, sob o ponto de vista da academia, discorreram debates com os Prof. Jonas Oliva (FIA) e Prof. Ms. Dr. Pedro Gustavo S.C. Inosoja (Senac/FMU) sobre a importância do bem receber na Hotelaria, tanto na prestação cativante do setor de A&B como no conceito amplo do bem receber valorizando o ser humano. Afinal, como definiu o presidente do FOHB, Sr. Manuel Gama, no bloco final sobre meios de hospedagens, a hotelaria é gente recebendo gente, portanto, demonstrou-se que por mais que a tecnologia avance, não substituirá o ser humano que estará sempre presente aos hóspedes, e para isso devem ser capacitados e valorizados.
No segundo bloco aconteceu a exposição das ações de Sustentabilidade da rede Accor, conduzida na América Latina pela Dra. Marcela Cerda, que mostrou o programa Planet 21 de sua corporação. Em seguida ocorreu o depoimento por parte do Sr. Alexandre Haberkorn sobre os mesmos princípios aplicados na Hotelaria independente desde um médio meio de hospedagens (Hotel SPadventure Ecolodge) até um pequeno meio de Hospedagem (Bananal Ecolodge). Conceitos estes que além de proporcionar o devido retorno financeiro compatíveis com os investimentos, proporcionam um resultado que não é mensurável do ponto de vista econômico mais altamente compensador ao marketing positivo e principalmente do impacto social no entorno, e na conscientização dos hóspedes que ainda não praticam a sustentabilidade.

 

No terceiro bloco foi discutido os novos meios de hospedagens, através dos palestrantes das mesas anteriores e os convidados: Sr. Manuel Gama, presidente do FOHB (Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil) e Sr. Luiz Carlos Eiras, presidente da AMOHBRAS (Associação dos Meios de hospedagens e Hotéis do Brasil). A mediação e coordenação esteve nas mãos de Ivan Baldini, diretor do SINDHOTÉIS-SP. Pautou-se que através da história sempre existiram novos meios de hospedagens que com a evolução natural da sociedade foram se incorporando ao trade estabelecido. Um exemplo recente são os FLATs.

Sobre a frase “Hotelaria é gente recebendo gente” discursou o Sr. Manuel Gama a respeito do meio de hospedagem Cama e Café, que leva o hóspede a uma nova experiência, que é o convívio na residência de seu hospedeiro.

O evento abriu discussão quanto ao Cama e Café da forma definida na Lei Geral do Turismo de 2008, e o novo meio de Hospedagem, sujeito a Lei Geral do Turismo (Art. 23 da Lei  11.771/2008, e principalmente o  Art.24 Inciso II item e § 2º) que não tem a figura do hospedeiro e também não tem “gente recebendo gente”, ou seja, sem a presença do hospedeiro anfitrião objeto da nova experiência veiculada e sem o pagamento devido de impostos e contratação de mão de obra geradora de distribuição de renda e progresso para a sociedade.

Em resumo, sob os pontos de vista da academia, dos hotéis independentes e redes que se apoiam neste princípio, o evento apontou questões importantes para o trade do Turismo e vinculou pautas e discussões significativas.